Coleção de Frases: As vantagens de ser invisível

ivisivel

“Então, esta é a minha vida. E quero que você saiba que sou feliz e triste ao mesmo tempo, e ainda estou tentando entender como posso ser assim.”

“Eu sei que tem pessoas que dizem que essas coisas não acontecem, e que isso serão apenas histórias um dia. Mas agora nós estamos vivos. E nesse momento, eu juro. Nós somos infinitos.”

cena-de-as-vantagens-de-ser-invisivel-de-stephen-chbosky-filme-que-estreia-nesta-sexta-feira-19-nos-cinemas-brasileiros-1350597676614_956x500

“Nós aceitamos o amor que achamos que merecemos.”

“É como se ele tirasse uma foto da Sam e a foto saísse linda. E ele pensasse que o motivo para a foto sair bonita fosse ele fotografar bem. Se eu fizesse a foto, saberia que o único motivo da beleza é a própria Sam. Eu acho que é ruim quando um cara olha para uma garota e pensa que a forma como ele a vê é melhor do que a garota realmente é. E acho ruim quando a forma mais sincera de um cara olhar uma garota é através de uma câmera.”

“Eu acho que somos quem somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas.”

“É muito mais fácil não saber das coisas de vez em quando.”

“Deixei que o silêncio colocasse as coisas no lugar em que elas deveriam estar”

“Sempre acho que um livro é meu favorito até eu ler outro.”

As-Vantagens-de-ser-Invisível01

“Ele é invisível. (…) Você vê as coisas. Você guarda silêncio sobre elas. E você compreende.”

“Sam me olhou com doçura. E me abraçou. E eu fechei os olhos, porque só queria sentir os seus braços. E ela me deu um beijo na testa e sussurrou para que ninguém mais ouvisse:
-Eu te amo.”

“Não há nada como a respiração profunda depois de dar uma gargalhada. Nada no mundo se compara à barriga dolorida pelas razões certas. E essa era ótima.”

THE PERKS OF BEING A WALLFLOWER

“Quando estava indo para casa, só conseguia pensar na palavra ‘especial’. E pensei que a última pessoa que me disse isso foi a tia Helen. Foi muito bom ter ouvido isso novamente. Porque eu acho que todos nós nos esquecemos às vezes. E eu acho que todo mundo é especial à sua própria maneira. É o que eu penso.”

“Às vezes eu olho para fora e penso que um monte de outras pessoas viu essa neve antes, que um monte de outras pessoas leu aqueles livros antes. E ouviram aquelas canções. Eu me pergunto como elas estão se sentindo esta noite.”

“Eu me sinto infinito”

622461_275017105932607_617661558_o

Anúncios

As melhores autoras da literatura Chick Lit

Na verdade, pode ser que não sejam as melhores escritoras do gênero  mas sou muito fã delas. Pra quem não conhece o gênero literário chick lit aborda temas de ficção feminino com muito humor. Geralmente as protagonistas são balzaquianas, solteiras e tem algum problema com peso (um pouco previsível  eu sei), mas é uma leitura leve e, embora alvo de preconceitos, costuma prender a atenção por reproduzir com bom humor e ironia situações cotidianas.

O gênero literário conta com muitas autoras bem sucedidas e eu separei minhas três escritoras de chick lit preferidas.

 Helen Fielding

Helen-Fielding

Ela é uma das pioneiras do gênero. A jornalista britânica trabalhou dez anos na BBC de Londres produzindo documentários televisivos, mas sempre quis ser escritora. Cursou inglês na Universidade de Oxford e seu primeiro livro de sucesso “O Diário de Bridget Jones”, a consagrou como uma das autoras mais bem sucedidas de chick lit da década de 90. Três anos depois, Helen escreveu a sequência “Bridget Jones no Limite da Razão”. Os dois livros chegaram a vender 15 milhões de exemplares em todo o mundo. Recentemente saiu a noticia de que um novo livro de Bridget será lançado em novembro, após treze anos sem novidades da personagem.

A história da solteirona neorótica e sem pudores nasceu em uma coluna escrita por Helen no jornal londrino Independent na década de 90. Além de ter conquistado o coração dos leitores Bridget ganhou também as telonas, e foi a própria autora que se ocupou de providenciar a adaptação do livro para o cinema. O livro foi ainda best-seller na Inglaterra, ganhou o British Book Award de 1998; e esteve na lista de mais vendidos nos Estados Unidos por duas semanas.

Eu amei O Diário de Bridget Jones, li faz muito tempo, mas me lembro de ter dado boas risadas com a história. Não tive a oportunidade de ler a continuação, mas assim que sair o novo livro, em novembro, vou correr pra comprar.

Sophie Kinsella

sophie_kinsella

Não tem jeito, sou muito tiete então o que farei aqui é tietar minha autora de chick lit favorita. Me desculpem as outras autoras desse post, mas Sophie Kinsella é uma DIVA!

A história de Sophie é muito curiosa. Na verdade ela não se chama Sophie, mas Madeleine Wickham , nasceu em Londres, é jornalista e especializada em jornalismo econômico, tal qual uma de suas personagens mais famosas: Beck Bloom.

Ela escreveu seu primeiro romance como Madeleine aos 24 anos quando  era repórter financeira. O livro intitulado “The Party Tennis” foi saudado pela mídia e se tornou um top teen best-seller. Além desse, ainda publicou mais seis romances com o nome verdadeiro.

Ela apresentou seu primeiro romance anonimamente como Sophie Kinsella para seus editores sem eles saberem que era ela quem tinha escrito. Só após a publicação de “O Segredo de Emma Corrigan” – meu chick lit favorito – que Sophie revelou sua identidade.

Eu sou apaixonada pelas historias da Sophie, além de “O Segredo de Emma Corrigan” li “Os delírios de consumo de Beck Bloom” e “Menina de Vinte”.  Eu parecia uma alucinada lendo os livros, já cheguei a dar ataque de riso dentro de um ônibus lotado e não conseguir parar de rir. Acho que as pessoas até imaginaram que eu estava passando mal, ou que eu era louca mesmo, me contorcia de tanto rir. Não conseguia me controlar hahahha

Marian Keyes

Marian Keyes

A irlandesa Marian Keyes também é uma das queridinhas do universo chick lit. Ela se formou em Direito, na Universidade de Dublin, mas nunca exerceu a profissão. Os livros de Marian já venderam 22 milhões de cópias em todo o mundo.

Com certeza Marian é um dos maiores nomes do gênero, autora de sucessos como Melancia, Tem alguém ai? e Sushi. Os livros tem um ritmo ágil e embora bem humorados abordam temas densos como luto, violência domestica e depressão pós-parto.  Talvez as experiências negativas que Marian já teve tenham influenciado na construção das histórias, ela lutou anos contra o alcoolismo e inclusive tentou se suicidar.

A Keyes é completamente “amem ou odeiem”, nem todo mundo é fã dos livros dela. Eu gosto, apesar de achar a maioria das personagens um pouco depressivas rs. Gosto do jeito que ela expõe situações, acho que ela consegue transmitir sentimento e emoção a ponto de vivenciarmos mais intensamente os altos e baixos das personagens.

:*

Jogos Vorazes – Matar ou Morrer

Apesar de ser alucinada por livros/séries eu ainda não li a sensação do momento. Jogos Vorazes. Mas… Meu amigo, Edu, o nerd mais lindo dessa vida, leu, adorou e fez uma resenha do livro.

Curtam.

…..

A luta pela sobrevivência sempre foi um tema bastante discutido na sociedade, mas apenas como uma forma de entender a evolução do ser humano e, consequentemente da própria sociedade. Jogos Vorazes veio para mudar isso.

Suzanne Collins, uma americana que criava programas para o canal infantil Nickelodeonviu sua carreira deslanchar tanto na literatura como no cinema  ao juntar dois gêneros totalmente opostos enquanto tentava assistir TV: Os Clichês dos Reality Shows e os Horrores da Guerra do Vietnã.

Tudo começa quando um Estados Unidos pós-Apocalíptico é dividido em 13 Distritos, um dos quais se rebela contra seu regente: A Capital. Devido a essa Rebelião em que se acarretaram diversas consequências, surge a pior delas: Os Jogos Vorazes (Hunger Games originalmente). Os Jogos são uma forma sádica e até irônica de relembrar aos distritos restantes que o poder é detido apenas por um, no caso, pela Capital (que, diga-se de passagem, exterminou o Distrito 13),Poder esse que impede que os demais distritos escapem da miséria em que se encontram e evoluam nas suas condições de vida e trabalho. É escolhido um casal de cada distrito para lutarem nos Jogos, e assim tudo começa.

É quando, na 74º edição desses Jogos, Katniss Everdeen, uma jovem Caçadora ilegal do Distrito 12 se voluntaria para lutar no lugar de sua irmã mais nova, Primrose, de apenas 12 anos de idade. Daqui pra frente tudo que Katniss conhecia do mundo e da vida começa a ser questionado, toda sua vida, triste, mas estável fica pra trás, como numa verdadeira Guerra.

Jogos Vorazes é mais do que uma obra infanto-juvenil “legalzinha”, ela reflete valores, angústias, medos, e um ponto forte é a crítica à sociedade, muito bem feita por sinal, e SIM! Também há romance nessa série, mas não espere coisas piegas nem tão profundas nesse sentido, pois o foco é outro: Lutar.

Assistam o trailer do filme:

Noites de Tormenta (Nicholas Sparks)

Não poderia ter começado com outro autor. Nicholas Sparks é o atual recordista de vendas, isso quando o quesito é “romance água e açúcar”.

Vamos à obra.

(Divulgação)“Noites de Tormenta” conta a história de Adrianne Willis e Paul Flanner. Longe de ter tido um casamento feliz, Adrianne foi traída pelo marido e decidiu dedicar toda a sua vida aos filhos e a pequena biblioteca onde ela trabalha desde a juventude. Paul é um médico bem sucedido, mas vive sob constante estresse e tem sérios problemas de relacionamento com o único filho.

A história de Paul e Adrianne começa quando ele se hospeda por um fim de semana na pousada onde Adrianne gerencia temporariamente, a pedido de uma amiga que é a verdadeira dona da pousada. Ele está lá para resolver uma antiga briga na justiça, onde é acusado de negligenciar o tratamento de uma paciente que morreu na mesa de cirurgia.

Durante esse fim de semana a previsão do tempo é alarmante e promete uma forte tempestade para todo o litoral. Mas, um fim de semana é o bastante para Adrianne e Paul terem a experiência que lhes faltava.

A narrativa oscila entre o passado e o presente, e apesar de o redescobrimento do amor entre duas pessoas maduras ser a essência do romance, “Noites de Tormenta” leva ao leitor questões como as consequências das perdas, e como as mudanças são importantes para a maturação dos sentimentos e relacionamentos que devemos cultivar.

O romance foi adaptado em 2008 pela Warner Bros. Veja o trailer.

 

 

Mais Informações:

Título Original: Nights in Rodanthe

Autor: Nicholas Sparks

Número de páginas: 176

Preço: 29,90